Osteoartrite do Quadril: Fisioterapia Funciona?

A Artrose (Osteoartrite do quadril - OA) é uma condição musculoesquelética prevalente que causa dor, incapacidade e redução da qualidade de vida em indivíduos afetados [1].

Não há atualmente nenhuma cura e a substituição total da articulação do quadril é comum para a doença em fase avançada. Assim artrose de quadril é um importante problema de saúde pública que contribui substancialmente para a morbidade dos pacientes, os custos de saúde e longas listas de espera cirúrgicas [2].

O tratamento fisioterapêutico pode compreender vários elementos, incluindo exercícios, terapia manual, educação e aconselhamento, e a prescrição de auxílios para a marcha. Na prática, a maioria ou todos estes componentes, adaptados às deficiências musculoesqueléticas específicas e individuais de cada paciente , são fornecidos dentro de programas de tratamento de fisioterapia. Embora vários estudos e revisões têm avaliado estes elmentos terapêuticos de forma isolada, nenhum avaliou uma abordagem multimodal e conjunta, que é típica de um tratamento fisioterapêutico para artrose de quadril.

Logo, em Melbourne, na Australia, foi conuzido exatamente esse projeto. O principal objetivo foi investigar a eficácia de um programa de 12 semanas de fisioterapia multimodal para tratar a dor e disfunção física em indivíduos com artrose de quadril comparado à um tratamento placebo de fisioterapia. Os objetivos secundários foram avaliar mudanças relevantes nas deficiências músculo-esqueléticas com o tratamento, a manutenção dos efeitos do tratamento ao longo de 6 meses e o custo-efitividade da fisioterapia.

Foram recrutados 128 pessoas da comunidade na região metropolitana de Melbourne via anúncios em clubes locais, bibliotecas, mídia impressa, rádio, e Facebook, e consultórios de médicos (ortopedistas, reumatologistas e médicos de clínica geral).

Para serem elegíveis, os participantes deveriam ter:

(i) artrose do quadril por critérios de classificação contemplada pelo Colégio Americano de Reumatologia com dor na virilha ou na região do quadril na maioria dos dias do mês passado e osteófitos femoral ou acetabulares e estreitamento do espaço articular (superior, axial e / ou medial) ≥ Grau 2 em um raio-x de pé;

(ii) dor no quadril / virilha média geral na última semana ≥ 40 sobre 100 milímetros escala analógica visual (VAS) (para garantir um nível mínimo de dor);

(iii) a dor na região da virilha ou do quadril por mais de 3 meses;

(iv) nível moderado de interferência nas atividades da vida diária;

(v) de idade igual ou superior 50 anos.

Os critérios de exclusão foram:

(i) realização de cirurgia do quadril dentro dos últimos 6 meses;

(ii) estar aguardando ou a planejando qualquer cirurgia na coluna ou membro inferior nos próximos 9 meses;

(iii) a utilização de corticosteróides atualmente ou no passado (dentro de 3 meses) oral ou intra-articular;

(iv) as condições artríticas sistémicas tais como a artrite reumatóide;

(v) história de substituição da articulação do quadril ou do joelho ou osteotomia na perna de teste;

(vi) outra patologia do quadril anterior tais como fratura ou câncer na perna de teste;

(vii) outra condição muscular, articular ou neurológica causando dor ou que afetem o funcionamento dos membros inferiores;

(viii) a fisioterapia, tratamento quiroprático ou exercícios especificamente para o quadril ou coluna lombar nos últimos 6 meses;

(ix) qualquer deficiência física ou médica para além da artrose do quadril impossibilitando a participação segura em exercício ou terapia manual, como hipertensão não controlada, ou obesidade mórbida (índice de massa corporal> 40);

(x) que anda continuamente por mais de 30 minutos por dia ou participando de um exercício mais do que uma vez por semana;

(xi) incapacidade de andar sem ajuda;

(xii) incapaz de cumprir com o protocolo;

(xiii) inadequado Inglês falado e escrito.

Os participantes que foram elegíveis para o estudo e que foram inclusos na pesquisa, foram separados aleatóriamente em 2 grupos através de um computador. Assim foi feito também com o fisioterapeuta que iria aplicar o tratamento.

Além disso os pacientes não possuiam contato com outros pacientes, pois não foram realizados tratamentos simultâneamente, afim de evitar troc